sábado, 17 de outubro de 2009

Flávio Josefo informa que Jesus tinha esposa


Uma versão do livro Guerra Judaica de Flavio Josefo, em lingua Eslava, conteria a informação de que Jesus tinha esposa:


"A Guerra Judaica" - 5 fragmentos de uma tradução em páleo-eslavo (russo antigo), que remonta aos séculos XI-XIII "Apareceu então um homem, se é que podemos chamar-lhe homem. A sua natureza e as atitudes exteriores eram humanas mas a sua aparência e as suas obras eram divinas. Os milagres que realizava eram grandes e surpreendentes. Uns diziam dele ' É o nosso primeiro legislador que ressuscitou dos mortos e dá provas de suas capacidades, operando muitas curas ´. Outros julgavam-no enviado por Deus. Opunha-se em muitas coisas à Lei e não observava o sábado, segundo o costume dos antepassados; todavia, não fazia nada de impuro, nem nenhum trabalho manual, dispondo apenas da palavra. Muitos entre a multidão o seguiam e escutavam seus ensinamentos; os espíritos de muitos se agitavam pensando que, graças a ele, as tribos de Israel se libertariam do jugo romano. Costumava estar, de preferência, em frente da cidade, no Monte das Oliveiras.Vendo a sua força e que, com as palavras, fazia tudo o que queria, pediram-lhe para entrar na cidade, massacrar as tropas romanas e Pilatos, e passar a governá-los. Mas ele não lhes dava ouvidos. Mais tarde, os chefes dos hebreus vieram a saber de tudo aquilo, reuniram-se com o Grande Sacerdote e disseram: ´ Somos impotentes e fracos para resistirmos aos romanos, como um arco frouxo. Vamos dizer a Pilatos o que ouvimos e não teremos aborrecimentos´. E foram falar dele a Pilatos.Este enviou homens, mandou matar muitos entre a multidão e prendeu o doutor de milagres. Informou-se melhor sobre ele e vendo que fazia o bem, e não o mal, que não era rico, nem ávido de poder real, libertou-o; de fato, tinha curado a sua mulher, que estava moribunda. E regressado ao local habitual, retomou o cumprimento de suas obras, e novamente um número maior de pessoas se aglomerou em torno dele. Os doutores da Lei, feridos pela inveja, deram trinta talentos a Pilatos, para que o mandasse matar. Este aceitou-os e deu-lhes autoridade para serem eles próprios a fazer o que desejavam. Desse modo, apossaram-se dele e o crucificaram, apesar da lei dos antepassados."



Quem leu isso teria adulterado e interpolado para ficar assim:


"Antiguidades judaicas", XVIII,3 - em grego. "Apareceu, depois, Jesus, homem sensato, se é que se lhe pode mesmo chamar homem; operava de fato ações extraordinárias, mestre de homens que acolhem a verdade com prazer. E atraiu a si muitos judeus e muitos também entre os gregos. Ele era o Messias (o "Cristo"). E depois de Pilatos o ter punido com a cruz, por denúncia dos homens principais entre nós, não desistiram os que o tinham amado desde o princípio. Ele apareceu, efetivamernte, ao terceiro dia, novamente vivo, tendo já anunciado os divinos profetas estas e milhares de outras coisas maravilhosas sobre ele. E agora ainda não parou de crescer a tribo daqueles que receberam dele o nome de cristãos"



Os seja, isso seria uma prova de que alguem quiz apagar a informação de que Jesus teve esposa, na história que chegou até nós?


Um comentário:

Tj7 disse...

Me parece dúbio, pois poderia estar falando da mulher de Pilatos que ele teria curado. A construção que consta em seu texto abre margem para isso